Bom dia, Sexta-Feira, 23 de Junho de 2017
GRITO DO ROCK EM CUIABÁ
Décima edição do Grito Rock agita Cuiabá neste domingo
Um dos maiores eventos colaborativos da música independente, o festival conta com música, cultura e lazer na programação
29/03/2017 - 13h10 - Fonte: Gcom - MT

 

Neste domingo (02/04) a Arena Pantanal será palco de um dos maiores eventos colaborativos da música independente, a 10ª edição do Grito Rock, festival cuiabano que volta à Capital com muita música, cultura, lazer e entretenimento. A entrada é gratuit

As atividades começam às 15h com campeonato de skate e a Batalha de MCs. Em seguida, às 17h, as 11 bandas que integram o Line Up sobem ao palco na seguinte ordem de apresentação: João Reis, The Banana Chips, RedEyes (Tangará da Serra), Cão Latino, Dario Júlio e os Franciscanos (Distrito Federal), Hendson, Lord Crossroads, Karola Nunes, Billy Espíndola, Facção Caipira (Rio de Janeiro) e Boogarins (Goiânia).

Depois da última edição em Cuiabá, em 2015, o evento está de volta à cidade em grande estilo, com mais de seis horas de muita música. Todos esses sons serão apresentados em sintonia com uma série de atrações como dança de rua, grafite, exposição de fotografia, entre outras intervenções. O espaço também vai contar com feira gastronômica, recheada de sabores da terra.

Uma das novidades desta edição é o lançamento do álbum de estreia de Billy Espíndola, anfitrião do Grito Cuiabá 2017. O disco traz as primeiras incursões da guitarra de cocho e um som que o artista chama de rock cuiabano, com groove pantaneiro praiano e cheio de referências que são claras em suas letras e em seu som: blues, country, sertanejo raiz, reggae, hip hop, hard core. Aí é só misturar tudo isso com a viola de cocho, o ganzá, o mocho, um skate no pé e a guitarra na mão.

A 10ª edição do Grito Rock Cuiabá é uma realização do Espaço Toma e Instituto Case, com patrocínio da Secretaria de Estado de Cultura (SEC) e da Prefeitura de Cuiabá, por meio da Secretaria Municipal de Cultura, Esporte e Turismo. O festival é uma plataforma de troca de tecnologias de produção colaborativa e circulação de artistas e agentes da música pelo mundo afora.

Atrações nacionais

A Boogarins é uma banda goiana que tem se destacado no cenário independente mundial. No ano passado fez duas turnês pela Europa e Estados Unidos, apresentando o segundo álbum do grupo, Manual. Tocar em grandes festivais como o South By Southwest, Primavera Sound e Rock in Rio Lisboa é a principal coroação de uma banda que começou há cinco anos em um quarto em Goiânia.

A tradição do blues sulista americano pega a estrada do rock rural brasileiro e do folk nordestino no eclético e contagiante "Homem Bom", álbum de estreia da Facção Caipira, do Rio de Janeiro. Um dos nomes mais originais da cena musical carioca, a banda de Niterói coloca suas botas e chapéus e se prepara para conquistar o Brasil com seu "Blues Brasileiro Foragido Americano".

Dario Julio & Os Franciscanos é um projeto do cantautor pantaneiro Dary, hoje radicado em Brasília. O nome é de banda, mas trata-se de uma aventura solo embriagada por The Smiths, R.E.M. e Belchior. Ex-líder de bandas conhecidas do circuito independente como Terminal Guadalupe e Lorena foi embora..., ele revê parte do repertório autoral e mostra canções da nova fase, que define como "rock-canção".

Um dos maiores eventos colaborativos da música independente, o festival conta com música, cultura e lazer na programação

Assessoria | SEC-MT 

Neste domingo (02/04) a Arena Pantanal será palco de um dos maiores eventos colaborativos da música independente, a 10ª edição do Grito Rock, festival cuiabano que volta à Capital com muita música, cultura, lazer e entretenimento. A entrada é gratuita.

As atividades começam às 15h com campeonato de skate e a Batalha de MCs. Em seguida, às 17h, as 11 bandas que integram o Line Up sobem ao palco na seguinte ordem de apresentação: João Reis, The Banana Chips, RedEyes (Tangará da Serra), Cão Latino, Dario Júlio e os Franciscanos (Distrito Federal), Hendson, Lord Crossroads, Karola Nunes, Billy Espíndola, Facção Caipira (Rio de Janeiro) e Boogarins (Goiânia).

Depois da última edição em Cuiabá, em 2015, o evento está de volta à cidade em grande estilo, com mais de seis horas de muita música. Todos esses sons serão apresentados em sintonia com uma série de atrações como dança de rua, grafite, exposição de fotografia, entre outras intervenções. O espaço também vai contar com feira gastronômica, recheada de sabores da terra.

Uma das novidades desta edição é o lançamento do álbum de estreia de Billy Espíndola, anfitrião do Grito Cuiabá 2017. O disco traz as primeiras incursões da guitarra de cocho e um som que o artista chama de rock cuiabano, com groove pantaneiro praiano e cheio de referências que são claras em suas letras e em seu som: blues, country, sertanejo raiz, reggae, hip hop, hard core. Aí é só misturar tudo isso com a viola de cocho, o ganzá, o mocho, um skate no pé e a guitarra na mão.

A 10ª edição do Grito Rock Cuiabá é uma realização do Espaço Toma e Instituto Case, com patrocínio da Secretaria de Estado de Cultura (SEC) e da Prefeitura de Cuiabá, por meio da Secretaria Municipal de Cultura, Esporte e Turismo. O festival é uma plataforma de troca de tecnologias de produção colaborativa e circulação de artistas e agentes da música pelo mundo afora.

Atrações nacionais

A Boogarins é uma banda goiana que tem se destacado no cenário independente mundial. No ano passado fez duas turnês pela Europa e Estados Unidos, apresentando o segundo álbum do grupo, Manual. Tocar em grandes festivais como o South By Southwest, Primavera Sound e Rock in Rio Lisboa é a principal coroação de uma banda que começou há cinco anos em um quarto em Goiânia.

A tradição do blues sulista americano pega a estrada do rock rural brasileiro e do folk nordestino no eclético e contagiante "Homem Bom", álbum de estreia da Facção Caipira, do Rio de Janeiro. Um dos nomes mais originais da cena musical carioca, a banda de Niterói coloca suas botas e chapéus e se prepara para conquistar o Brasil com seu "Blues Brasileiro Foragido Americano".

Dario Julio & Os Franciscanos é um projeto do cantautor pantaneiro Dary, hoje radicado em Brasília. O nome é de banda, mas trata-se de uma aventura solo embriagada por The Smiths, R.E.M. e Belchior. Ex-líder de bandas conhecidas do circuito independente como Terminal Guadalupe e Lorena foi embora..., ele revê parte do repertório autoral e mostra canções da nova fase, que define como "rock-canção".

 

 

Projetos ensinam educação ambiental às crianças e adolescentes

Lidiana Cuiabano | Sesp-MT 

Desde 2008, crianças e adolescentes de 70 escolas de Cuiabá e Várzea Grande foram atendidas pelos dois projetos desenvolvidos pelo Centro de Educação Ambiental do Batalhão de Polícia Militar de Proteção Ambiental (BPMPA) de Mato Grosso. Caminhando para a 5ª edição, o "Agente Ambiental Mirim" já atendeu mais de 700.

O projeto é realizado todo sábado e prepara crianças e adolescentes por meio do Curso de Formação de Agentes Ambientais Mirins, para que sejam capazes de contribuir na melhoria do meio em que vivem.

Nas aulas, são abordados temas como conceitos gerais sobre o meio ambiente, tráfico de animais silvestres, aquecimento global, fauna e flora mato-grossense, áreas de preservações, entre outros assuntos.

"O projeto prepara a criança para ser um defensor do meio ambiente. Tudo que ele vê na sua comunidade, aciona o Centro que informa o batalhão, que vai fazer uma atividade no local. Então, a criança se sente útil com o seu conhecimento", disse o responsável pelo Centro de Educação Ambiental, 3º sargento PM Benedito Jorge Teixeira.

O sargento conta ainda que, após formada, a criança ou adolescente auxilia o Centro em outros projetos, como o "Crescendo e Aprendendo", que também é desenvolvido pelo batalhão.

O projeto "Crescendo e Aprendendo" já atendeu mais de 6 mil pessoas em 68 escolas, desde 2008, e vem marcando presença nas edições da Caravana da Transformação, Mutirão Rural, além das atividades desenvolvidas pelo batalhão.

O projeto vai até as escolas municipais, estaduais e privadas, levando palestras de conscientização ambiental para os estudantes, e atende também pessoas de comunidade rurais.

"Hoje, temos casos de alunos que passaram pelo projeto Agente Mirim, por exemplo, que se formaram na faculdade em curso de Biologia, que está terminando o curso de Direito, Psicologia, Educação Física, e que hoje são voluntários no projeto, repassando um pouco do que eles aprenderam, contribuindo com as demais crianças", falou Teixeira.

A intenção do batalhão é expandir as ações preventivas levando os projetos para mais cidades do Estado.

"Trabalhamos com essas crianças em fase de desenvolvimento com o objetivo de transformar esse pequeno cidadão em defensores ambientais, cidadãos que respeitam o local em que vivem", completou o comandante do batalhão, tenente coronel PM Rodrigo Eduardo Costa.

 

 

Professora utiliza modalidades para ensinar disciplinas escolares

Marcio Camilo | Seduc-MT 

 Os Jogos Escolares da Juventude de Mato Grosso têm uma proposta diferente neste ano. A ideia é aliar a prática esportiva com a educação, formando cidadãos conscientes de seu papel na sociedade.  A cidade de Alto Boa Vista (a 1.100 km de Cuiabá) será uma das sedes dos jogos e os professores locais já começaram a pensar em como utilizar o esporte como ferramenta de aprendizagem durante a semana de competição no município.

A professora Cássia Rodrigues, por exemplo, já desenvolve esse tipo de trabalho com os seus alunos da Escola Municipal de Ensino Infantil e Fundamental Betel. Ela procura envolver as modalidades esportivas com as disciplinas aplicadas em sala de aula como Português, Matemática, Geografia e História.

Nos treinamentos de basquete os alunos também aprendem matemática. Para fazer exercício de cálculos com os alunos a professora utiliza as formas geométricas da quadra poliesportiva. Quando um estudante arremessa a bola e ela não cai na cesta, Cassia utiliza matemática para explicar o porquê que o ponto não aconteceu. "Você arremessou a bola em um ângulo de 60 graus, por isso a bola não caiu", comenta com o aluno.

No handebol, por exemplo, Cássia também dá aulas de geografia e história para os alunos. Ela pede que antes do treino os estudantes façam uma pesquisa sobre o esporte, onde ele surgiu, quem são os principais jogadores da atualidade e quem difundiu a modalidade no Brasil. A professora reforça que esse trabalho pedagógico caminha junto com o treinamento esportivo.

A professora também prepara um grupo de dança, formado por alunos, que fará uma apresentação cultural durante a cerimônia de abertura dos Jogos Escolares da Juventude em Ato Boa Vista (etapa da região Nordeste). O evento ocorrerá de 16 a 21 de maio.

O grupo realiza um trabalho diferenciado que explora diversas manifestações culturais do Brasil e do mundo, por meio da dança. Entre os estilos estão o break (dança de rua), o forró, o sertanejo e o balé. "Estamos preparando uma linda apresentação para os alunos de outras regiões que participarão dos jogos em Alto Boa Vista", destacou Cássia.

Vistorias técnicas

A equipe da Secretaria de Estado de Educação, Esporte e Lazer (Seduc-MT) realiza uma série de vistorias nas cidades que receberão os Jogos Escolares da Juventude Mato Grosso. Nesta terça-feira (28.03) os técnicos estiveram no município de Alto Boa Vista, onde já fizeram vistorias de quadras poliesportivas e dos espaços que servirão de refeitório e alojamento para os estudantes-atletas.

A equipe da Seduc também apresenta a proposta pedagógica para os jogos – uma ação inédita para utilizar o esporte como ferramenta de ensino-aprendizagem.

Até o final desta semana ocorrerão vistorias e reuniões pedagógicas nas cidades de Água Boa e Barra do Garças, que também sediarão etapas dos jogos escolares.

Os Jogos Escolares da Juventude (Etapas regionais e estaduais) são uma realização da Secretaria de Estado de Educação, Esporte e Lazer (Seduc-MT), em parceria com as cidades-sedes dos jogos. A competição é dividida em 10 etapas regionais e três etapas estaduais, que mobilizam cerca de 10 mil estudantes.  

 

 

Polícia Civil deflagra operação para apurar corrupção de servidores e contribuintes de Várzea Grande

Assessoria | PJC-MT 

Nove mandados de prisão preventiva, nove de buscas e apreensão e sete mandados de conduções coercitivas são cumpridos, na manhã desta quarta-feira (29.03), pela  Polícia Judiciária Civil, na operação "Pérfido", deflagrada pela Delegacia Especializada em Crimes Fazendários e Contra a Administração Pública (Defaz).

A investigação da Defaz apura esquema de corrupção, concussão, sonegação de impostos e outros crimes praticados por uma organização criminosa constituída por servidores municipais, que em conluio com empresários e contribuintes várzea-grandenses, provocaram grande prejuízo ao município de Várzea Grande.

Os membros da organização criminosa são servidores públicos e particulares que burlavam o sistema de banco de dados de gestão tributária para reduzir, dar baixa ou cancelar indevidamente créditos tributários, frustrando a arrecadação do município de Várzea Grande em benefício dos próprios servidores municipais e empresários/contribuintes.

Outros detalhes da operação não poderão ser divulgados em razão de sigilo de justiça, decretado pelo Poder Judiciário. As ordens judiciais são do juiz Abel Balbino Guimarães, da 4ª Vara Criminal de Várzea Grande.

Participam da operação delegados, investigadores e escrivães lotados em Delegacias da Diretoria de Atividades Especiais.

A operação foi batizada de "Pérfido" em razão deste adjetivo ser utilizado para qualificar alguém como desleal, infiel ou traiçoeiro.

 

 
Comente através do facebook:
ENQUETE »
O que você pensa da proposta Reforma da Previdência ?

FOTO NOTÍCIA
:: MT24Horas - Todos os direitos Reservados - Copyright 2017 ::