Boa tarde, Terça-Feira, 21 de Novembro de 2017
POLITICA
Dilma traiu quem a elegeu em 2014, diz Lula a jornal espanhol
Ex-presidente avalia que sucessora agravou processo de perda de credibilidade do Brasil quando prometeu que não cortaria gastos e fez ajuste fiscal em 2015
23/10/2017 - 13h41 - Fonte: Veja.com

Em plena campanha para voltar ao Planalto em 2018, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) tentou explicar, em entrevista ao jornal espanhol El Mundo, as razões do colapso econômico brasileiro. Para ele, o rompimento da confiança no Brasil começou com as manifestações de 2013 e se agravou em 2015, quando sua sucessora, Dilma Rousseff (PT), “anunciou o ajuste fiscal e traiu o eleitorado que a elegeu em 2014 com a promessa de manutenção dos gastos”.

Ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff conversam durante cerimônia de abertura do congresso nacional do Partido dos Trabalhadores, em Brasília - 01/06/2017 (Ueslei Marcelino/Reuters)

Este teria sido o segundo principal erro do governo petista. O maior, avalia Lula, foi “exagerar nas políticas de desoneração das grandes empresas”. “O Estado deixou de arrecadar para devolver aos empresários e em 2014 saía mais dinheiro do entrava”, apontou.

Na entrevista, o ex-presidente foi questionado se estava arrependido de não ter disputado o pleito de 2014 no lugar de Dilma. Lula diz que não é “o tipo de pessoa que se arrepende”, mas que foi “leal” à democracia e a Dilma, e que reconhecia o direito que ela tinha de ser reeleita. “Mas eu pensei nisso muitas vezes e sei que ela também”, afirmou.

Ainda na sua argumentação sobre a perda de credibilidade brasileira, o petista comparou o penúltimo ano de sua sucessora com 1999, primeiro ano do segundo mandato do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB). Disse que a diferença principal não estava no governo, mas na Câmara. Enquanto FHC teve a seu lado o presidente da Casa, o hoje presidente da República Michel Temer (PMDB), Dilma Rousseff contou com a opoisção de Eduardo Cunha(PMDB-RJ).

Lula disse ainda que se candidata à Presidência aos 72 anos “porque há muita gente que sabe governar, mas não há ninguém que saiba cuidar do povo mais necessitado” como ele. “Conheço suas entranhas, como vivem, o que necessitam”, avaliou. Sobre a hipótese de ser condenado em segunda instância e ficar de fora das eleições, afirma que “ninguém é imprescindível” e que existem “milhares de Lulas”.

Política externa

O ex-presidente brasileiro respondeu a algumas questões relacionadas a política mundial. Questionado se estava mais próximo do “populismo latino-americano” ou da “social-democracia europeia”, disse respeitar a segunda, mas considerou que, no Brasil, “nós construímos o Estado a nossa maneira, nem melhor, nem pior”. E questionou a definição de populismo: “O que é ser populista? É falar a língua do povo e defendê-lo?”.

Comente através do facebook:
ENQUETE »
Você é favorável a pena de morte?

FOTO NOTÍCIA
:: MT24Horas - Todos os direitos Reservados - Copyright 2017 ::