Boa noite, Quarta-Feira, 23 de Agosto de 2017
Silval
Juíza marca novo interrogatório de ex-governador acusado de fraude em MT
Defesa de Silval Barbosa fez pedido após ex-governador enviar carta aberta afirmando que iria confessar crimes. Silval está preso desde setembro de 2015 em Cuiabá.
01/06/2017 - 16h06 - Fonte: G1

A juíza Selma Arruda, da Sétima Vara Criminal de Cuiabá, agendou para o dia 13 de junho um novo interrogatório do ex-governador de Mato Grosso, Silval Barbosa (PMDB), que está preso há quase dois anos no Centro de Custódia da capital, acusado de liderar um esquema de desvio de dinheiro dos cofres públicos.

A decisão da magistrada foi publicada nesta quarta-feira (31) e atende a um pedido da nova defesa do ex-governador, que assumiu o caso, após a banca de advogados que o defendia abrir mão do processo, em abril deste ano.

Segundo consta na decisão, o reinterrogatório de Silval refere-se à ação penal resultante da Operação Sodoma Ideflagrada em 2015, que apura a concessão fraudulenta de incentivos fiscais a empresas privadas, por meio do Programa de Desenvolvimento Industrial e Comercial (Prodeic).

No pedido feito à Justiça, o advogado Délio Fortes Lins, que agora representa o ex-governador, afirmou que um novo depoimento se faz necessário diante da vontade do acusado de assumir uma nova postura, confessando os delitos nos quais tenha efetiva participação e porque assumiu o processo recentemente, não tendo conhecimento do que consta nos autos.

No mês passado, o ex-governador afirmou, em uma carta aberta, que iria confessar os crimes que cometeu durante a sua gestão. "Após muito refletir e me orientar com minha família, resolvi adotar, a partir deste momento, postura processual diversa. Assumirei minhas responsabilidades perante o Poder Judiciário, confessando fatos pontuais naqueles processos em que eu realmente tenha praticado ilícitos penais", declarou.

Na sequência, todos os advogados que defendiam o ex-governador nos processos em que ele é réu deixaram o caso, afirmando que a atitude adotada por Silval contrariava o trabalho exercido por eles durante todo o processo.

Operação Sodoma

A operação Sodoma teve quatro fases. Na primeira delas, em setembro de 2015, Silval Barbosa e os ex-secretários de estado Marcel de Cursi (Fazenda) e Pedro Nadaf (ex-chefe da Casa Civil e ex-titular da Secretaria de Indústria e Comércio) foram presos. Silval e Cursi são os únicos que continuam presos.

De acordo com o Ministério Publico Estadual (MPE), o esquema passava por três etapas: fraude na concessão de benefícios fiscais, pagamento de propina e lavagem do dinheiro arrecadado ilegalmente. Silval seria o líder desse esquema, segundo a denúncia.

O esquema teria começado em 2011, de acordo com o MP, quando o empresário João Batista Rosa (sócio-proprietário de um grupo de três empresas) obteve inclusão no Prodeic, um sistema de benefícios fiscais mantido pelo estado a empresas que fomentem a economia local.

Delator do esquema, Rosa contou que, para ter suas empresas incluídas no programa, foi convencido a abrir mão de um crédito de Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) de aproximadamente R$ 2,6 milhões a que tinha direito.

Comente através do facebook:
ENQUETE »
O que você pensa da proposta Reforma da Previdência ?

FOTO NOTÍCIA
:: MT24Horas - Todos os direitos Reservados - Copyright 2017 ::